• Michelle Leonhardt

COVID-19: Influência da Suspensão das Aulas dos Filhos nas Atividades dos Empregados e da Empresa

Estamos atravessando um período delicado com a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). A preocupação com a disseminação do vírus está gerando uma série de medidas para evitar o máximo sua propagação e não sobrecarregar o sistema de saúde. Dessa forma, vários estados do país decretaram a suspensão das aulas nas escolas municipais e estaduais, bem como nas escolas particulares.


Além das aulas, a maioria dos decretos estaduais suspenderam as seguintes atividades coletivas:


  • Visitas a teatros, cinemas, bibliotecas, museus e outros eventos artísticos e culturais;

  • Visitas a hospitais, penitenciárias e centros de socioeducação;

  • Eventos públicos ou particulares, de qualquer natureza, com reunião de público acima de determinado número de pessoas.


Uma consequência da suspensão das aulas é que grande parte dos trabalhadores que deixam seus filhos menores em creches municipais ou estaduais para poder trabalhar acabam ficando numa encruzilhada, tendo em vista que não possuem condições de acolher seus filhos em casa e manter sua frequência no trabalho durante a suspensão das atividades escolares.


Sem ter com quem deixar seus filhos, os trabalhadores precisam faltar ao trabalho até que as aulas voltem ao normal.


As empresas, por outro lado, também possuem responsabilidade sobre as medidas de prevenção, principalmente em relação aos próprios empregados, nos casos em que o empregado for diagnosticado com o Coronavírus.


Entretanto, os decretos estaduais não influenciaram as atividades das empresas, porquanto a suspensão das atividades laborais (em razão da suspensão das aulas) irá depender da necessidade e possibilidade das empresas.


Medidas Alternativas a Serem Tomadas Pelas Empresas


Para que a atividade da empresa não seja comprometida, algumas medidas poderão ser tomadas de modo que os serviços ou a produção sejam mantidos, sem que o empregado sofra prejuízos salariais por ter que ficar em casa para abrigar seus filhos menores que estão sem aula.


Dentre as medidas podemos citar:


  • Banco de Horas: caso o empregado tenha saldo positivo de banco de horas suficiente, a empresa poderá determinar que o mesmo fique em casa até que o saldo seja compensado. Ainda que o total de dias que o empregado ficar em casa ultrapasse o saldo positivo, poderá o empregador conceder um período maior, de modo que o empregado possa compensar o saldo de horas negativo quando do seu retorno, conforme dispõe o §§ 2º e 5º do art. 59 da CLT.

  • Teletrabalho (Trabalho Remoto): havendo esta possibilidade, poderá o empregador determinar que o empregado possa desenvolver suas atividades da sua própria residência através da internet (art. 75-B da CLT), ou mesmo levar atividades manuais para serem realizadas em casa (caso seja possível). Para tanto, deverá o empregado cumprir com a jornada normal de trabalho, com o respectivo período de descanso para alimentação, mantendo ainda a mesma produtividade e metas já estabelecidas;

  • Férias Coletivas: poderá o empregador conceder férias coletivas art. 139 da CLT) para os empregados pelo prazo previsto da suspensão das aulas escolares, ficando o saldo restante das férias para serem quitadas em outra oportunidade (sejam elas coletivas ou individuais);

  • Férias Individuais: caso o empregado tenha completado o período aquisitivo de férias, poderá acordar com a empresa a concessão das férias individuais (art. 130 da CLT) por 15 dias, ficando 15 dias restante para outra data que melhor lhes convir.


Outras medidas poderão ser objeto de acordos individuais ou coletivos (como licença remunerada ou sem remuneração, por exemplo), de modo a evitar que as atividades das empresas sejam prejudicadas, ou que haja desligamento do empregado ou a suspensão do pagamento dos salários durante este período de pandemia da doença.


As medidas acima poderão ser adotadas apenas aos empregados que não tem com quem deixar seus filhos, de modo que os demais empregados possam manter as atividades da empresa.


A EBL também se preocupa e age para o combate da disseminação do vírus


É importante salientar que EBL, considerando a saúde de seus colaboradores e ciente de que é necessário fazer sua parte para prevenção da disseminação do vírus , está estudando alternativas para a proteção de seus colaboradores e clientes, considerando também adotar as alternativas elencadas acima, dentro das possibilidades.


Ainda, seguindo as recomendações do ministério da saúde, adotamos as seguintes medidas preventivas:


  • Disponibilizamos álcool gel para colaboradores, para incentivar a constante higienização das mãos.

  • Disponibilizamos, também, máscaras e luvas para uso de nossos colaboradores que sentirem necessidade de maior proteção.

  • Redobramos a atenção com a higienização do ambiente.

  • Suspendemos o atendimento externo e estamos trabalhando somente com expediente interno. Nossa comunicação externa já é feita, em sua maioria, por meios eletrônicos e não sofrerá alterações.


Lembramos que as medidas determinadas pela EBL podem sofrer alterações conforme a evolução da disseminação da pandemia. Assim que novas ações forem definidas, serão devidamente comunicadas.


Por fim, recomendamos que todos estejam atentos(as) à disseminação de notícias falsas sobre o vírus, principalmente em redes sociais. O Ministério da Saúde desenvolveu o aplicativo Coronavírus – SUS, onde vêm sendo publicadas dicas de prevenção, descrição dos sintomas e mapa de unidades de saúde, além de informar sobre notícias falsas divulgadas na internet.


Para maiores esclarecimentos, por favor, entre em contato via canais de comunicação. Será um prazer atender.

32 visualizações

© 2019 por Leonhardt & Leonhardt Ltda.